( Resenha ) Aprendendo a Seduzir de Patricia Cabot @PlanetaLivrosBR

Editora Planeta
Selo Essência

Clique na capa e compre o livro na Saraiva

Leia a sinopse AQUI.

Resenha




Meggin Patricia Cabot, mais conhecida como Meg Cabot utiliza o pseudônimo Patricia Cabot para escrever seus romances históricos. Uma das minhas autoras favoritas, que sempre me surpreende. 

“Não havia no aposento outra luz senão a que vinha das chamas da lareira de mármore decorado. Havia pouco fogo, mas sua luz era suficiente para desenhar a silhueta do casal no divã. Mesmo assim, Caroline conseguiu ver suas feições.
Sabia quem eram eles. Sabia realmente muito bem. Afinal, ela reconhecera a risada de seu noivo através da porta fechada e foi por isso a primeira que abriu.”

A jovem Lady Caroline Linford flagrou o noivo, Hurst Slater, marquês de Winchilsea, que havia salvo a vida de seu irmão, Tommy, aos beijos com Lady Jacquelyn Seldon em uma entrega selvagem. Caroline certamente não fazia ideia da predileção do noivo por seios avantajados, talvez, por este motivo, ele decidira procurar alguém mais apropriado aos seus gostos, já que a noiva não tinha muitos atributos. Todavia, ela não conseguia deixar de pensar que ele poderia ter feito isso em outro lugar, ao em vez de num dos salões de estar de Dame Ashford, e durante um jantar de gala. 




Caroline pensou em cancelar o casamento e interromper os amantes, fazer uma cena, contudo, não seria capaz de suportar o que viria em seguida. Neste caso, decidiu deixar o aposento e sair tão silenciosamente como havia entrado. 
“Parecia-lhe que qualquer garota normal choraria. Afinal, ela acabara de ver seu noivo nos braços – ou melhor, nas pernas – de outra mulher. Ela deveria, por tudo que já lera em romances, estar chorando e se desesperando.”
Braden Granville não era nascido em berço de ouro e possuía uma reputação um tanto duvidosa. Ele apareceu a procura da noiva, Jacquelyn, uma dama apenas por nascimento, mas não por natureza, que se comportava de modo inteiramente indecoroso. Então, deparou-se com Caroline no corredor em choque e não demorou muito para que Hurst aparecesse como se nada tivesse acontecido. 

Os quinhentos convites para o casamento de Caroline já haviam sido devidamente enviados e a mãe dela fez questão de enfatizar que ter uma amante era comum para um marquês. Neste caso, para evitar tamanho constrangimento diante das regras sociais da Inglaterra vitoriana e porque acreditava amar Hurst, mesmo depois do que presenciou, já que ele era charmoso e incrivelmente corajoso, Caroline não cancelaria o casamento. 
“— Bem, na verdade, senhor Granville, o que preciso é... preciso que o senhor me ensine a fazer amor.”
Ela estava disposta a fazer com que Hurst a amasse e queria tornar-se a única mulher a ser desejada pelo marquês de Winchilsea. Sendo que para isso, contaria com os ensinamentos de Braden Granville. Entretanto, nem ela e muito menos Braden imaginavam que poderiam se envolver tão profundamente. 

“Que coisa extraordinária! Não parecia haver nada de desagradável nisso, mas exatamente o contrário. Ela tirou a língua de sua boca, timidamente no início e, depois, à medida que crescia sua confiança, maravilhada, como se ele estivesse realmente atraindo para dentro dele sua alma. Ela conseguiu senti-la saindo dela, como se saltasse de sua boca para a dele, até que ele a lançou de volta. Era uma sensação realmente fascinante. Quase miraculosa.”
Um romance histórico instigante, divertido e sedutor, recheado de cenas quentes e personagens extremamente cativantes. Uma mistura perfeita de inocência e sensualidade. Narrado em terceira pessoa, permite ao leitor maior aprofundamento na trama. 

A escrita da autora é espirituosa, inteligente e perspicaz. As 366 páginas pareceram voar diante dos meus olhos. Simplesmente incrível. 

A capa é linda, delicada e muito atraente. A diagramação é boa e se encaixa muito bem ao contexto. A revisão é ótima. 

Dou cinco estrelas e recomendo!!!



Nenhum comentário

Postar um comentário

© BLOG CLÃ DOS LIVROS- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por