( Resenha ) Star Wars - Estrelas Perdidas de Claudia Gray @editoraseguinte

Editora Seguinte


Companhia das Letras



Clique na capa e compre o livro na Saraiva

Sinopse

Ciena Ree e Thane Kyrell se conheceram na infância e cresceram com o mesmo sonho: pilotar as naves do Império. Durante a adolescência, sua amizade aos poucos se transforma em algo mais, porém diferenças políticas afastam seus caminhos: Thane se junta à Aliança Rebelde e Ciena permanece leal ao imperador. 

Agora em lados opostos da guerra, será que eles vão conseguir ficar juntos? Através dos pontos de vista de Ciena e Thane, você acompanhará os principais acontecimentos desde o surgimento da Rebelião até a queda do Império de um jeito absolutamente original e envolvente. 

O livro relata, ainda, eventos inéditos que se passam depois do episódio VI, O retorno de Jedi, e traz pistas sobre o episódio VII, O despertar da Força!


Resenha




Thane não tinha se dado conta de como a Estrela da Morte era enorme até voar pela primeira vez com seu caça TIE em patrulha. Precisou ajustar os propulsores para decolagem em uma atmosfera planetária, não em uma estação espacial, pois a enormidade da Estrela da Morte lhe conferia um enorme empuxo gravitacional.

Ciena e Thane cresceram no mesmo planeta e alimentaram o mesmo sonho: pilotar as naves do Império.

O Império era visto por todos como a força que trouxe ordem ao universo, levando justiça para todos os planetas.

Ciena sempre teve a honra como primordial em sua vida, ensinamentos que carrega desde o nascimento.  Além da paixão por naves, ela deseja servir ao Império e ajudar em suas missões de ordem e paz.

Thane também deseja ser piloto. Ele ama pilotar, mas quer mais do que tudo, distanciar-se de sua família que sempre o desprezou e maltratou psicológica e fisicamente.

Os dois se conhecem ainda crianças e começam a treinar juntos, mesmo contrariando seus pais. Crescem e entram juntos para a academia de pilotos do Império e lá, após anos de treinamento duro e muita pressão, os dois se formam. Porém o tempo que passaram na academia não serviu apenas para desenvolver suas habilidades. Ambos acabaram percebendo o quanto cresceram, amadureceram e uma forte atração surgiu entre eles.

A questão não é se ele é meu amigo ou alguém que eu amo. Ele é as duas coisas. Thane sempre foi as duas coisas, desde o começo,  ela pensou quando os seus lábios se tocaram.
Já formados, cada um foi para um canto e a serviço do Império Thane acabou vivendo e vendo coisas demais. Os atos cruéis e injustos que eram cometidos foram incomodando-o, até que acabou desertando e entrando para a Aliança Rebelde, vista por todos como um grupo terrorista.

Talvez ela ainda acreditasse na ideia do Império como o Estado perfeito, com a população de cada planeta cantando as virtudes sem parar. Thane havia aprendido que não era bem assim.

Ciena é fiel ao Império, e apesar de presenciar algumas barbaridades, desculpa-as pensando que são apenas táticas de combate aos terrorristas. Ela fez um juramento e tem muitos amigos lutando ao seu lado. Sair disso é muito difícil.

O dever exigia lealdade, mas lealdade era algo que se devia tanto aos amigos  quanto aos superiores. Pela primeira vez ela percebera como as tarefas que lhe cabiam na guerra podiam ser sombrias.

Como poderá um amor tão poderoso sobreviver, quando os dois se encontram em lados opostos de uma mesma batalha?

Tendo como pano de fundo a história de Star Wars desde o surgimento da rebelião até a queda do Império, Estrelas Perdidas é absolutamente perfeito e envolvente. Indicado para fãs da série ou até mesmo para quem aprecia um livro com enredo muito bem construido com ação e romance.

Ciena e Thane lutam muitas batalhas, se encontram com personagens muito importantes e inesquecíveis, e precisam fazer escolhas a todo momento.

Devorei Estrelas Perdidas, me encantei com a força de caráter de Ciena e sofri muito ao ver tudo pelo qual os dois tiveram que passar.

Para Ciena a coisa era diferente. Sua lealdade era absoluta. O Império não a merecia, mas a tinha em seu controle para sempre. Ela não fazia parte da máquina do imperador por ser ambiciosa ou corrupta. Não, o Império havia achado um jeito de usar sua honra contra ela. A força de seu caráter era a exata razão que a manteria a serviço do mal.

O livro é repleto de ação, batalhas, escolhas, atrocidades, dor e também romance.




Neste livro vemos uma perspectiva fantástica de outros personagens, que não os principais da saga, e de ambos os lados: soldados imperiais e rebeldes, e só isso já valeria a leitura, porém Estrelas Perdidas tem muito mais do que isso.

Não tenho palavras para dizer o quanto amei essa história.
Já disse não é?! Amei e recomendo!


Um comentário

  1. Ummmm comecei a ler pelo Marcas da Guerra depois de ver esta legenda https://fodapracaralho.wordpress.com/2016/01/28/star-wars-marcas-da-guerra-vale-a-pena/
    Se tivesse lido aqui priemrio teria comecado pelo Estrelas Perdidas

    ResponderExcluir

© BLOG CLÃ DOS LIVROS- TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | Design e Programação por